É fato: a população nas cidades estão crescendo. Atualmente, já são 3,9 bilhões de pessoas vivendo em áreas urbanas (mais da metade da população mundial) e a previsão da ONU é que esses números alcancem 70% em apenas 30 anos.

Com isso, os desafios começam a surgir: como garantir qualidade de vida e infraestrutura urbana para todas essas pessoas? 

É nesse cenário que as cidades inteligentes estão prosperando. Afinal, o seu objetivo é justamente desvendar como responder a esses desafios com inteligência e muita tecnologia. 

Quer saber como as cidades inteligentes podem beneficiar a população urbana? A gente explica no artigo de hoje, olha só!

Mas afinal, o que é uma cidade inteligente?

Cidades inteligentes são aquelas que apostam em tecnologia para criar estratégias de gestão inovadoras.

O objetivo final de uma smart city é construir uma cidade onde os recursos sejam empregados na aceleração do seu desenvolvimento econômico, no fortalecimento da sustentabilidade e na construção de qualidade de vida para a população. 

Vantagens das cidades inteligentes para a população

Ok, mas como essa qualidade de vida chega para os moradores das cidades inteligentes? Através de investimentos em alguns pontos-chave da infraestrutura urbana. Olha só!

Cidades inteligentes e segurança

Segurança é um dos pontos importantes para a sensação de qualidade de vida, não é mesmo? Cidadãos frequentemente se mudam das suas cidades, movidos pela sensação de falta de segurança.

Em termos de infraestrutura urbana, um exemplo do que as cidades inteligentes podem oferecer é a implementação de tecnologias para vigilância nas ruas, além de facilitar a identificação de ocorrências online, em aplicativos ou sites.

Assim, a própria população ajuda a gerar dados que contribuem para desenhar uma melhor estratégia de patrulhamento, que ajude a reduzir os riscos em diversas áreas da cidade.

A sustentabilidade em uma cidade inteligente

Cidades inteligentes também são um sinônimo para cidades mais verdes. E as medidas possíveis para tornar isso realidade passam por diversos outros assuntos, com várias medidas possíveis!

Quer alguns exemplos? Então, vamos lá: trabalhar para reduzir a poluição no trânsito purifica o ar e promove a sustentabilidade. O mesmo vale para a adoção de maneiras mais modernas de fazer a coleta seletiva, aproveitando cada vez mais resíduos para reciclagem.

Estimular a aplicação de luz solar nos novos prédios construídos também é uma opção, assim como oferecer incentivos fiscais para as empresas que tenham lógicas de produção mais eco-friendly.

Por fim, vale também construir mais áreas verdes, que ajudam a cidade a respirar e se tornam pólos de entretenimento para os seus habitantes. Ou seja, qualidade de vida ao quadrado!

Uma cidade que aplicou algumas dessas medidas na prática foi Barcelona, que tem lixeiras espalhadas pela cidade recolhendo os resíduos por um sistema de tubulações abaixo da superfície. Todo o material coletado caminha nos tubos a 70km/h até ser separado nos centros de coleta. Nada de caminhões coletando lixo pela cidade!

A atração de recursos em uma smart city

Uma cidade inteligente, com boa qualidade de vida, atrai profissionais talentosos, que querem viver e trabalhar por lá. E sabe quem aparece logo em seguida? As empresas, é claro!

É comum que uma smart city atraia novos negócios e investidores (tanto pelos talentos na cidade, quanto pela infraestrutura urbana), o que, por sua vez, é bom para a população porque gera empregos.

Além disso, com mais empresas locais, aumentam também as chances de parcerias público-privadas. Nessas parcerias, as prefeituras ganham apoio das empresas (seja em forma de investimento ou com fornecimento de dados) para desenvolver a infraestrutura urbana e a qualidade de vida sem exaurir os recursos públicos.

Para estimular esse ambiente as cidades inteligentes também podem promover concursos e incentivos à abertura de negócios inovadores na região.

A tecnologia e a vida em uma cidade inteligente

Se existe uma finalidade para a tecnologia nas cidades inteligentes é facilitar a vida, tanto da população, quanto dos governos.

As prefeituras podem, por exemplo, emitir mensagens para os celulares dos residentes da cidade no caso de anúncios importantes. Outra boa opção é lançar mão de plataformas para agendar atendimentos em órgãos públicos ou para acompanhamento dos pacientes da rede pública de saúde no pós-atendimento.

Mobilidade urbana nas cidades inteligentes

Mobilidade urbana é um assunto legal de mencionar quando o assunto é o funcionamento de uma smart city porque aqui as opções são quase infinitas! A real é que ninguém gosta de perder tempo no trânsito, então melhorar o tráfego é uma das grandes lutas das prefeituras, em termos de infraestrutura urbana, para estimular a qualidade de vida.

Para isso, é possível contar com métodos alternativos de transporte, como o incentivo a empresas de aluguel de patinetes e bicicletas, dá para criar modelos inteligentes de controle do tempo dos semáforos para desafogar o trânsito e dá para construir mais ciclovias, por exemplo.

A prefeitura de Lisboa, por exemplo, trabalhou em conjunto com a empresa fornecedora dos transportes da cidade para criar um aplicativo que informa quando o próximo ônibus ou bondinho da linha que você deseja pegar estará no seu ponto. Assim, os residentes da cidade conseguem monitorar a hora do transporte antes mesmo de sair de casa.

É possível também apostar na tecnologia para melhorar o gerenciamento do trânsito, coletando dados para identificar em que momentos ele fica mais intenso, em que regiões e pensar em estratégias para desatar esses nós.

Ruas mais livres significam uma população que chega em casa mais cedo e tem mais tempo para curtir com a família. Ponto para a qualidade de vida!

A Mobees e a construção de uma cidade inteligente

Para Mobees, ajudar a mudar as cidades para melhor está no nosso DNA. Por isso, todas as informações que coletamos sobre o tráfego, índices de poluição ou problemas nas vias são disponibilizadas gratuitamente às Cidades em que atuamos, para que possam direcionar os investimentos em mobilidade urbana.

Além disso, a Prefeitura também pode usar as nossas telas inteligentes de anúncios para dar comunicados à população, já que fornecemos 10% do nosso tempo de veiculação para a utilidade pública.

Assim, aos pouquinhos e em conjunto, a gente vai construindo um lugar mais gostoso de se viver.